segunda-feira, 16 de julho de 2018

Uma mulher identificada como Maria foi morta a facada neste domingo (15) em um bar localizado no Moropoia, em São José de Ribamar.

Segundo informações da delegada Viviane Azambuja, titular do Departamento de Feminicídio da Superintendência de Homicídios e Proteção à Pessoa (SHPP), a vítima estava bebendo na companhia da suspeita, identificada como Rosa, de um homem e outras mulheres.

As investigações apontam que o homicídio teria sido causado por desentendimento entre elas, motivado por ciúmes deste rapaz. Após o crime, o homem já foi ouvido pela SHPP e liberado. Rosa permanece foragida. Nenhum deles possui passagem pela polícia.

Desentendimento entre mulheres termina em morte no Moropoia

Luís de Moura Silva era delegado e Ilce Gabina de Moura Silva era policial na época do crime (Foto: Arquivo/TV Mirante)
Por decisão unânime das Câmaras Criminais Reunidas do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA) foi mantida a condenação de Luís de Moura Silva e Ilce Gabina de Moura Silva à pena de 19 anos e 6 meses de reclusão em regime fechado, negando o pedido de revisão criminal. O processo ainda permite recurso pela defesa.

Os dois foram acusados de participação no assassinato do delegado de Polícia Civil Stênio Mendonça, executado a tiros de revólver no dia 25 de maio de 1997, na Avenida Litorânea, em São Luís. À época do crime Luís de Moura era delegado e Ilce Gabina era policial.

A ação foi organizada por uma série de pessoas, entre políticos, empresários, pistoleiros e integrantes da Secretaria de Segurança interessadas em interromper investigação realizada pela vítima quanto ao roubo de cargas.

Decisão

Na decisão, o relator, desembargador Bernardo Rodrigues, narrou que os requerentes alegaram de forma genérica que a condenação decorreu de perseguição política e do depoimento de Jorge Meres, o qual passou a ser, segundo eles, trunfo de acusação contra todos os desafetos.

Além disso, o desembargador verificou que a materialidade e autoria delitiva ficaram devidamente comprovadas. A materialidade se dá pelo exame cadavérico e a autoria pelos depoimentos de testemunhas, os quais relataram a participação deles em reuniões no sítio de Luís de Moura, ocasião em que acertaram detalhes do crime.

O desembargador ainda entendeu que o crime cometido mediante emboscada pode ser usada como elemento a justificar o aumento do apenamento base, pois evidenciam um “plus” nas circunstâncias do crime, ainda mais se somadas ao fato de que os requerentes integravam as forças policiais do Estado, além de ter sido um crime premeditado, mediante o ajuste de várias pessoas.

Por fim, considerando razoável a pena aplicada e em consonância com a evidência dos autos, o desembargador votou pela improcedência da revisão criminal e foi acompanhado pelos demais presentes na sessão das Primeiras Criminais Reunidas.


Entenda o caso


O crime da morte do delegado Stênio Mendonça foi articulado por José Humberto Gomes de Oliveira, o Bel, e pelo acusado, Joaquim Lauristo. Os dois encabeçavam uma organização criminosa que atuava no roubo de cargas no Maranhão investigada pelo pelo delegado Stenio Mendonça à época.

Stênio teria desvendado o desaparecimento de uma carreta ocorrido em Santa Luzia do Tide (MA). O veículo teria sido localizado e apreendido pelo delegado em um imóvel pertencente a Joaquim Lauristo e ocupado pelo então deputado Francisco Caíca Uchôa Marinho, o Chico Caíca.

Além dos citados, faziam parte da organização: Carlos Antonio Martins Santos, cunhado de Bel; Carlos Antonio Maia, o Carlinhos; Marcondes de Oliveira Pereira; Israel Cunha, o Fala Fina; José Gerardo de Abreu, Ilce Gabina de Moura Lima e Luis de Moura Silva.

Marcondes de Oliveira Pereira, Israel Cunha (Fala Fina), Bel e Cabo Cruz foram assassinados em 03 de julho do 1997, no município de Santa Inês (MA), fato que ficou conhecido como Chacina do Barro Vermelho.

Casal de ex-policiais têm condenação mantida por envolvimento em morte de delegado no Maranhão

Janaína Romão Lucio foi morta a facadas pelo ex-marido
A morte da funcionária do Ministério dos Direitos Humanos Janaína Romão pode ter sido premeditada. Esta é uma das hipóteses da equipe envolvida no caso, segundo o delegado responsável, Alberto Rodrigo, da 33a Delegacia de Polícia, de Santa Maria, cidade do DF. A afirmação foi feita hoje (16) em entrevista coletiva a jornalistas.

Segundo o delegado Alberto Rodrigo, a Polícia Civil estava em dúvida se o crime teria sido resultado de uma discussão entre os dois ou se teria sido premeditado. "Segundo relatos obtidos hoje, nós temos certeza que foi premeditado porque as ameaças de morte já foram proferidas há cerca de 20 dias", afirmou.

Janaína foi morta pelo ex-marido ontem (15) na casa dele quando foi buscar as duas filhas. Ela trabalhava como funcionária terceirizada no Comitê Intersetorial de Acompanhamento e Monitoramento das Políticas Públicas para a População em Situação de Rua do MDH.

O Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH) divulgou nota hoje em que manifestou "profundo pesar" pela morte. "As investigações do crime apontam para um possível feminicídio, crime rechaçado e combatido por este órgão. O CNDH se posiciona de forma veemente contra a violência de gênero e exige das autoridades competentes a investigação do caso com a perspectiva de gênero, com a devida responsabilização do cuidado", diz a nota.

Morte de funcionária de ministério foi premeditada

Três homens são presos por sequestro e roubo
Na madrugada de hoje (16), por volta de 1 hora da manhã na Avenida Sol e Mar o 3º Batalhão Policial Choque prendeu três homens que estavam em um carro roubado e com uma vítima de sequestro ainda dentro do carro.

A ação aconteceu próximo a Vila Luizão e adjacências, quando um veículo Logan vermelho fez uma manobra brusca e vindo a colidir com o muro de um estabelecimento comercial. No momento da abordagem foram capturados os três homens: Joarez Pereira Soares, Daniel Costa Azevedo e um menor de idade.

O grupo e policial descobriu que se tratava de um sequestro e a vítima estava amarrada dentro do carro com leves ferimentos. No carro foram encontrado duas facas, um rolo de barbante, um celular Multilaser, um celular LG, dois celulares Samsung, um cordão dourado, um relógio, um porta cédulas e a quantia de R$ 146,00.

Três homens foram presos por sequestro no Sol e Mar

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A adaptação do videogame Street Fighter para o cinema não foi tarefa fácil. O diretor responsável pela façanha, Steven de Souza, contou em entrevista ao jornal britânico The Guardian que teve de encarar desde um orçamento baixo e mudanças intermináveis no roteiro ao comportamento pouco confiável de sua maior estrela, o astro de luta Jean-Claude Van Damme, 58.

Segundo Souza, Van Damme passava por um grave vício em cocaína quando foi convocado para interpretar o coronel William F. Guile em "Street Fighter - A Última Batalha", lançado em 1994. Ele consumia cerca de 10 gramas por dia da droga e gastava cerca de US$ 10 mil por semana para bancar o vício.

"Eu não podia falar sobre isso na época, mas eu posso agora: Jean-Claude estava fora de si de tanta cocaína", contou o diretor.

Ele afirma que o estúdio chegou a contratar uma pessoa para vigiar o astro belga, "mas infelizmente ele era uma má influência" para Van Damme.

Van Damme faltou a diversos dias de gravação, forçando Souza a caçar cenas que pudesse filmar sem ele. "Eu não podia simplesmente sentar por horas esperando por ele. Em duas ocasiões, os produtores deixaram ele viajar [da Tailândia] até Hong Kong e nas duas vezes ele voltou atrasado. Nas segundas, ele simplesmente não aparecia."

Em seu reality show "Jean Claude Van-Damme: Behind Close Doors", o ator admitiu que passava a maior parte do tempo fora de si nos anos 90. Ele afirma que deixou de usar drogas sem ajuda de reabilitação ou terapias.

Van Damme filmou 'Street Fighter' cheio de cocaína, diz diretor

Policiais civis da Delegacia de Crimes Contra o Patrimônio (Roubos e Furtos) de João Pessoa prenderam em flagrante, na tarde desta segunda-feira (15), no estacionamento de um Shopping localizado no bairro de Mangabeira, Zona Sul da Capital, Felipe Eduardo Hellyenai Sousa Silva, 26 anos, e Kelveny Santana de Souza, 21 anos. Os dois são suspeitos de praticar furtos em veículos com o auxílio de um equipamento eletrônico conhecido como ‘chapolim’.

A polícia chegou até a dupla quando investigava denúncias de ocorrências de crimes de furtos em vários locais públicos. “Como eles agiam principalmente nos Shopping, eu informei aos chefes da segurança destes estabelecimentos comerciais sobre os suspeitos. Hoje, quando observavam o sistema de monitoramento, eles viram dois homens em atitude suspeita olhando os veículos. Fomos acionados e prendemos os dois em flagrante. Com a dupla encontramos dois ‘chapolins’, bloqueadores que quando acionados impedem o travamento do veículo”, disse o delegado da DCCP, Wagner Dorta.

Para não levantar suspeita das vítimas, os dois homens ficavam aguardando eles acionarem os alarmes com as travas dos carros e no mesmo momento apertavam o bloqueador. Sem perceber nada, a pessoa ia embora e neste momento a dupla abrias as portas e roubava todos os objetos de valor que estavam dentro do veículo. Agindo rápido e de forma natural para não atrair a atenção de quem passava ou dos seguranças dos locais. Além dos bloqueadores de alarme, os policiais também apreenderam com os dois suspeitos uma tesoura. Felipe Eduardo e Kelveny foram encaminhados para a Central de Polícia, no Geisel, onde vão aguardar a audiência de custódia.
Repórter PB 

Dupla é presa com peça usada para desbloquear alarme de carro

A médica que é filha da Doutora Hilda Maranhão, deixou uma carta de despedida para a família. Amigos mais próximos informam que esta foi a segunda vez que ela tentou o suicídio e que enfrentava uma fase aguda de depressão.

Ela era médica radiologista e atendia no hospital UDI.

Em breve novas informações

Médica é encontrada desacordada no estacionamento do UDI; há sinais de tentativa de suicídio

O vício em sexo foi, pela primeira vez de forma oficial, considerado uma doença mental pela Organização Mundial de Saúde (OMS). A inclusão desta condição na lista de doenças aprovadas pela OMS chega semanas após o vício em vídeo games ter sido reconhecido como um problema patológico também.

A médica Valerie Voon, membro do Colégio Real de Psiquiatria britânico, afirmou, em declarações para o The Independent, que cerca de dois a quatro por cento da população mundial sofre deste transtorno.

“É um tipo de comportamento que tende a ser escondido, já que é visto como vergonhoso”, comenta.

“A inclusão do vício em sexo à lista de doenças psicológicas oficialmente reconhecidas pela OMS é um excelente passo para quem sofre deste problema, já que os indivíduos podem ter assim a certeza e a confirmação que a patologia é real e que podem procurar ajuda médica”, finaliza.

A lista publicada pela OMS descreve a desordem de comportamento sexual compulsivo como um “padrão persistente de falha no controleo de impulsos repetitivos e intensos de cunho sexual ou um impulso que resulta em atitudes sexuais repetitivas”.

Os sintomas incluem o fato do sexo se tornar o “foco central” na vida dessas pessoas, em detrimento e negligenciando a saúde, cuidados ou interesses pessoais e quaisquer responsabilidades.

Para ser considerado de fato um problema, esse tipo de comportamento deve ocorrer por um período mínimo de seis meses e provocar distúrbios e sofrimento na vida pessoal do individuo, inclusive na vida dos que o rodeiam.

Vício em sexo será reconhecido como transtorno mental pela Organização Mundial de Saúde

“Vovó do tráfico” é executada a tiros na Bahia
Uma idosa de 65 anos, com passagem na polícia por tráfico de drogas, foi morta a tiros no fim da tarde desta última sexta-feira, dia 13 de julho, no bairro 31 de Março, região central de Itamaraju. 

Vanderli Santos Andrade, a “Vovó do Tráfico”, estava no interior de uma residência à rua Glória, quando foi surpreendida pelo pistoleiro, que adentrou ao imóvel e efetuou os disparos à queima roupa.

Segundo testemunhas a vítima não teve tempo de reagir e após ser atingida, caiu e veio a óbito instantaneamente. Ninguém soube informar se o assassino contou com ajuda de algum comparsa.

Após ser avisada pelos moradores próximos uma guarnição da 43ª Companhia Independente da Polícia Militar de Itamaraju (CIPM), esteve no local e preservou o imóvel onde estava o corpo até a chegada da Polícia Civil e do Departamento de Polícia Técnica (DPT).

O caso está sendo investigado através de inquérito policial instaurado pela delegada Rosângela Santos, titular de Itamaraju. A polícia acredita que o crime esteja ligado com o tráfico de entorpecentes. Com informações do Teixeira News.

“Vovó do tráfico” é executada a tiros na Bahia

Dois homens foram presos em flagrante dentro do estacionamento do Mangabeira Shopping, em João Pessoa, quando furtavam objetos de dentro de veículos com uso de ‘chapolin’, equipamento que bloqueia o sistema que trava o carro, deixando as portas destrancadas para a ação dos bandidos. A ação aconteceu na tarde desta segunda-feira (16) e foi comandada pela equipe da Delegacia de Roubos e Furtos da Capital.

De acordo com o delegado Wagner Dorta, titular da DRF, a Polícia Civil vinha investigando o albergado Felipe Eduardo, 26 anos, e Kelveny Santana, 21 anos, há pelo menos dois meses.

“Eles são suspeitos de entrar em vários de 50 carros em João Pessoa e em outros estados do Nordeste. A dupla furta usando equipamento que bloqueia travamento de carros, chamado como Chapolin. Temos dezenas de vítimas dessa dupla”, falou o delegado.

Eles foram presos quando fazia mais uma vítima. As imagens de câmera de segurança do shopping ajudaram a polícia a prender a dupla em flagrante. Kelveny foi preso dentro do veículo.

Um dos suspeitos confessou que estava realizando os furtos com o bloqueador e explicou que comprou o produto pela internet. O outro negou o crime e disse ser um empresário e que estava no shopping para fazer compras.

No carro da dupla, um Audi preto, foi apreendido uma quantia mais de R$ 1.500, celulares e outros objetos. Eles vão responder por roubo qualificado e serão levados para audiência de custódia nesta terça.

Dupla é presa em shopping ao usar carro de luxo para furtar veículos usando bloqueador de alarme, em João Pessoa

Seguidores

Acessos

Postagens