terça-feira, 28 de outubro de 2014

Insatisfação com candidaturas e com processo eleitoral reforça abstenções

Eleitores comparecem às seções eleitorais para votar em presidente e governador em Belém (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Os percentuais de abstenção, votos em branco e nulos registrados no segundo turno das eleições deste ano ficaram bem próximos dos índices registrados em disputas anteriores, nas quais o presidente da República também foi escolhido no segundo turno. Para muitos eleitores, tanto o ato de invalidar o voto quanto o de não participar do processo eleitoral representam uma forma de mostrar insatisfação com os candidatos ou com o processo eleitoral.

Professor de educação física, Wellington Dantas Feitosa, de 45 anos, recusou-se a votar este ano nos dois turnos, mesmo estando em Brasília, onde tem domicílio eleitoral. “Das alternativas apresentadas, ninguém mereceu meu voto. Nem presidente, nem deputado, nem senador ou governador. Político nenhum mereceu meu voto. Por isso, decidi não participar das eleições”, disse ele à Agência Brasil.

Sócio da Editora da Tribo, que produz “agendas de conteúdo literário, libertário e político”, Bruno Margini, de 46 anos, nunca tinha dado seu voto a ninguém, até o segundo turno das últimas eleições. “Sequer comparecia aos locais de votação. Nas poucas vezes em que fui, votava nulo porque não acredito na macropolítica e porque penso que não vale a pena montar expectativa de que o voto para cargos como presidente e governador possa, de fato, criar uma condição política de mudança”, justificou.

Tanto Bruno como Wellington representam uma parcela que se mantém quase estável desde as eleições de 2002. Dos cerca de 142,8 milhões de eleitores que participaram do pleito deste ano, apenas 112,6 milhões foram às urnas. Isso significa que 30,1 milhões (ou 21,1%) abstiveram-se de votar. Entre os que foram às urnas, 1,9 milhão de eleitores (1,34%) votaram em branco e 5,2 milhões (3,64%) anularam o voto.

Segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), os índices estão bem próximos dos registrados em todas as eleições recentes para presidente decididas em segundo turno. Em 2002, o percentual de abstenções ficou em 20,46% e o de votos nulos, em 4,1%. A eleição deste ano registrou o maior índice de votos em branco: 1,88%, ante 1,32% em 2006 e 1,8% em 2010.

As eleições de 2006 apresentaram o maior índice de votos nulos (4,7%) e, ao mesmo tempo, o menor índice de abstenções (18,99%). O percentual de votos em branco naquele ano ficou em 1,32%. O ano com percentual mais alto de abstenções foi 2010: 21,4% dos eleitores habilitados para votar não compareceram às urnas. Entre os que foram, 1,8% dos eleitores votaram em branco e 3,45% anularam o voto.

Mais do que descrente, Wellington se diz frustrado, uma vez que já participou – até de forma empolgada – de outras eleições. “Eu já acreditei na política. Acreditei no Plano Real e votei no [ex-presidente] Fernando Henrique Cardoso. Mas, com o passar do tempo fui vendo que a coisa não estava funcionando bem, principalmente em relação à forma como algumas estatais foram privatizadas”, lembra o professor. Desiludido, em 2002, ele resolveu votar em Lula. “Por ver que ele estava dando uma sequência boa ao que havia sido feito anteriormente, votei nele novamente, para ser reeleito, mas então comecei a perceber que a política contaminou também o governo dele. Por esse motivo, nunca votei na Dilma”, acrescentou.

Na busca de uma terceira via, Wellington votou, em 2010, em Marina Silva. “Na época eu já vinha cogitando ficar fora do processo eleitoral, mas acabei votando nela. Em 2014, após nova decepção, essa ideia amadureceu e desisti de votar em qualquer candidato porque vejo que, de alguma forma, todos são corruptíveis”, disse. “Por essas e por outras, atualmente me sinto violentado quando me obrigam a votar. Que democracia é essa?”, questionou, indignado.

O professor ressalta que sua crítica vai além dos candidatos, e abrange também o processo eleitoral como um todo. “É um sistema político viciado. A única coisa que pode resolver é uma reforma política que acabe com o financiamento privado de campanha, com o coeficiente eleitoral – que elege parlamentares pouco votados – e com a questão da suplência, que elege candidatos sem nenhum voto”. Além disso, “cheira mal esse negócio de voto secreto no Parlamento e de voto obrigatório para o cidadão”, acrescenta.

Para Bruno, a principal arma é o voto nulo. “Mesmo que todo processo eleitoral parta do princípio de uma possibilidade de mudança, isso acaba não funcionando, porque se torna um esquema que perpetua a estrutura que alimenta o poder. E a alavanca que projeta os políticos continua a mesma: o conglomerado socioeconômico”, disse o empresário que se proclama anarquista. “Neste sentido, o processo eleitoral clássico como conhecemos, sem envolvimento de núcleos comunitários, não funciona. O vínculo será sempre com partidos. Não com as comunidades ou cooperativas de produção.”

Nenhum comentário:
Escreva comentários

REGRAS DE POSTAR SEUS COMENTÁRIOS;

- Comentários que agredirem outras pessoas serão excluidos
- Deixe sua opinião e evite palavras de baixos escalão

Seguidores

Acessos

Postagens