terça-feira, 29 de novembro de 2016

Homem negro é forçado a entrar em um caixão e ameaçado de ser queimado vivo



Em um vídeo publicado recentemente no YouTube, possivelmente gravado na região de KwaZulu-Natal, na , um homem negro é forçado a entrar em um caixão e ameaçado de ser queimado vivo por fazendeiros da região.

As imagens, de apenas 20 segundos, tornaram-se virais em todas as mídias sociais do país, reacendendo o debate sobre o conflito racial que continua a destruir a nação.

De acordo com o jornal Daily Mail, milhares de comentários se dividiam entre a verdadeira "vítima" da cena, destacando um país que parece permanecer dividido mesmo após mais de duas décadas do fim do apartheid – período de segregação racial entre 1948 e 1994.

O vídeo parece ter sido registrado pelo celular de um dos fazendeiros. Enquanto o homem é obrigado a entrar no caixão, outro afirma o desejo de jogar um pouco de gasolina nele. Já trancafiado, ouve de seus acusadores que colocarão uma cobra junto a ele, e logo começa a gritar de terror com a notícia.

Durante todo o momento os dois homens gritam palavras em africâner e zulu, esta última falada principalmente por sul-africanos negros e alguns brancos de KwaZulu-Natal, onde a violência entre fazendeiros é comum.

Enquanto a maioria dos usuários na internet tenha condenado a violência por parte dos homens brancos, ressaltando o persistente racismo que permeou a transformação da África do Sul, outras especulam que a vítima esteja sendo justificadamente castigada por representar uma ameaça.

Embora haja um aumento de força policial para conter a crescente ilegalidade, e em meio aos altos níveis de desemprego e pobreza da região, o "vigilantismo" ainda é uma tendência tida como crescente e alarmante.

De acordo com a Comissão Sul-Africana dos Direitos Humanos, a tensão entre brancos e negros parece estar pior do que nunca. Em janeiro deste ano, foram recebidas cerca de 160 queixas relacionadas a racismo, um total mensal considerado elevado nos subsequentes 20 anos após o fim do apartheid.

Grupos brancos alegam que são eles que precisam de proteção, afirmando que é quase duas vezes mais perigoso ser um agricultor branco do que um policial na África do Sul. De acordo com a conservadora Transvaal Agricultural Union, estima-se que cerca de 3.000 ataques violentos e mais de 1.600 assassinatos tenham ocorrido em fazendas desde 1990.

Em 2015, a organização chegou a fazer uma denúncia à ONU afirmando que o grupo representava uma "minoria perseguida". Embora os brancos representem apenas 9% da população do país, eles ainda conseguem os salários mais altos e dominam as indústrias mais lucrativas.

O Congresso Nacional Africano (ANC), partido atualmente no poder, disse estar tentando aprovar uma lei antirracismo que prevê a prisão de qualquer culpado por "intolerância racial". Enquanto isso, um grupo de oposição, os chamados Lutadores da Liberdade Econômica, que está cada vez mais popular e radical, convocou "uma cruzada contra a supremacia branca".

De acordo com Dr. Johan Burger, pesquisador sênior do Instituto de Estudos de Segurança do país, o vídeo poderia ser usado por ambos os lados da divisão racial para apoiar visões extremistas. Em entrevista ao Daily Mail, ele disse haver uma grande quantidade de desafios a serem superados na África do Sul no momento "e o endurecimento definitivo das relações raciais entre pessoas, cada vez mais livres em fazer afirmações racistas nas mídias, está contribuindo para o aumento das tensões".

Além disso, ele disse estar extremamente preocupado com o fato de o governo estar recorrendo à lei para tentar proibir o racismo. "Não vejo como esta seria uma forma eficaz de aumentar a tolerância na África do Sul" disse, "Isso poderia piorar ainda mais as coisas".

Nenhum comentário:
Escreva comentários

REGRAS DE POSTAR SEUS COMENTÁRIOS;

- Comentários que agredirem outras pessoas serão excluidos
- Deixe sua opinião e evite palavras de baixos escalão

Seguidores

Acessos

Postagens