sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Polícia desvendou rapidamente três crimes de grande repercussão no Maranhão


É preciso reconhecer a agilidade e competência da polícia do Maranhão na investigação de três assassinatos que marcaram o nosso estado nos últimos 13 meses: o assassinato de jovem publicitária Mariana Costa Araújo (sobrinha-neta de Sarney, da menina Alanna Ludmila e agora a morte do ex-prefeito de Barra do Corda, Manoel Mariano de Sousa, o Nenzin. Todos de fácil elucidação.

Além da agilidade e competência, a polícia contou com a sorte nos três casos. No de Mariana, o corpo foi encontrado dentro do apartamento. Não demorou muito para que, de posse das imagens internas do condomínio onde ela residia, a investigação chegasse ao cunhado Lucas Porto, que confessou o crime, perpetrado no dia 13 de novembro do ano passado.

A morte de Alanna Ludmila, também seguida de estupro, aconteceu no dia 1 de novembro deste ano. No dia 3, dois dias depois que a polícia esteve no local do crime, vasculhou a redondeza, um vizinho da menor encontrou o corpo enterrado em cova rasa no quintal da casa dela, no Maiobão.

A fuga do padrasto da menina, Robert Serejo, após prestar depoimento, foi o sinal verde para a descoberta do autor do crime. Ao tentar fugir em uma Van para o interior, ele foi reconhecido e preso. Também confessou o crime.

No caso da morte do ex-prefeito de Barra do Corda, a princípio a única testemunha ocular da morte era o próprio filho. O depoimento dele, portanto, era importante. E foi no depoimento que a polícia foi encontrando as contradições, o relatos falsos do filho de Nenzin.

O tiro a queima-roupa, a presença de mais pessoas dentro do carro, a demora de levar o ex-prefeito para o hospital deram a senha para a polícia. Aí veio a fuga durante a missa de corpo presente. Mariano Júnior se evadiu e foi preso hoje de manhã cedo na casa de um amigo. Só resta agora confessar que foi o mandante da morte do próprio pai.

Os três crimes abalaram a população pela forma como foram perpetrados. Chocaram a quem tomou conhecimento, ainda mais porque envolve familiares. Portanto, a polícia deu respostas rápidas por encontrar facilidades para chegar aos criminosos.


O mesmo não se pode dizer de outros casos, como o assassinato do Blogueiro Ítalo Diniz (foto acima), assassinado na porta de sua casa, em novembro de 2015, na cidade de Governador Nunes Freire, dois anos depois sem elucidação, portanto. O crime emocionou a cidade e foi cobrado até pela diretora geral da ONU para Educação, Ciência e Cultura, Irina Bokova, que apelou para as autoridades policiais a prisão de executores e mandantes. E nada, até agora.

Nenhum comentário:
Escreva comentários

REGRAS DE POSTAR SEUS COMENTÁRIOS;

- Comentários que agredirem outras pessoas serão excluidos
- Deixe sua opinião e evite palavras de baixos escalão

Seguidores

Acessos

Postagens